Nos casos de fimose fisiológica em crianças e adolescentes, o uso de pomada é a linha de ação recomendada antes de se recorrer à cirurgia.

O sucesso do tratamento com pomada dependerá do tipo e grau de severidade da fimose e da resposta pessoal do paciente.

Tipos de fimose

A fimose fisiológica (também chamada de congênita) geralmente depende da falta de alargamento natural da abertura prepucial, nesse caso chamada de anel fimótico fisiológico. Esse anel fisiológico nada mais é do que uma faixa circular de tecido naturalmente fibroso, que dificulta a exposição da glande justamente para sua proteção durante a infância.

Na fimose patológica ou adquirida, no entanto, ocorrre a formação, após uma infecção ou lesão, de um anel de células inelásticas não-congênitas, que são ainda mais rígidas do que aquelas do anel fimótico fisiológico.

Embora se use a palavra fimose para ambas as situações, os dois casos clínicos são na realidade bem diferentes.

Pomada corticoide e não-corticoide

Diversos estudos demonstraram a eficácia de pomadas corticoides (também chamadas de esteroides) no tratamento da condição fimótica.

Corticoide é o nome utilizado para designar um determinado grupo de hormônios esteroides.

O efeito da pomada corticoide é o de criar uma ação anti-fibrótica e anti-inflamatória na pele do prepúcio, a fim de facilitar a descoberta da glande. Constata-se cientificamente que a aplicação local de uma pomada (ou creme) corticoide torna a pele mais fina e reduz a componente inflamatória, tornando esse tipo de substância útil para o tratamento da fimose congênita em crianças.

No Brasil, também existe uma pomada comercializada exclusivamente para o tratamento da fimose, a Postec: além do princípio ativo corticoide, esse medicamento ainda contém uma enzima chamada hialuronidase, cuja função é reduzir temporariamente a viscosidade do tecido conjuntivo e portanto tornar a pele mais maleável.

Vale lembrar que os corticoides, apesar de ajudar a tratar diversas doenças, também apresentam riscos para a saúde e podem causar sérios problemas quando usados de forma irresponsável.

Por isso, apesar de uma receita médica não ser obrigatória para a compra de uma pomada corticoide, recomenda-se seu uso apenas quando prescrita por um médico. Além disso, o controle adequado da glicose sérica é importante em pacientes que sofrem de diabetes.

Há quem pense que a aplicação de outros tipos de pomada, creme, óleo ou loção também ajude a resolver a condição fimótica. Essa ideia, no entanto, foi refutada por estudos clínicos que analisaram o tratamento da fimose com pomadas placebo (não-corticoides) e obtiveram resultados desfavoráveis.

Idade faz diferença?

Os dados científicos do setor referem-se apenas a pesquisas sobre fimose congênita em meninos ou, no máximo, adolescentes. É importante que isso seja enfatizado, pois a fimose em crianças é muito diferente daquela em adultos (e mesmo a fimose congênita pode apresentar alterações ao longo da infância).

O estudo clínico "A resposta da fimose à aplicação local de corticoides", realizado na Austrália, analisou o efeito de um tratamento com pomada (três tipos diferentes) em pacientes de até 16 anos com diferentes graus de fimose. Foi concluído que:

  • a aplicação local de pomada corticoide no prepúcio produziu uma resolução da fimose congênita em mais de 60% dos casos;
  • além da idade, o tipo e gravidade da fimose também influenciam o percentual de sucesso;
  • se o prepúcio tiver um anel cicatricial (ou seja, adquirido), a probabilidade de responder ao tratamento é bem menor;
  • a assiduidade e utilização do correto método de aplicação da pomada são fatores importantes;
  • após a interrupção do tratamento com pomada, a fimose retornou em uma parte dos pacientes (a retratibilidade do prepúcio pode regredir após alguns meses, tornando necessário reiniciar o tratamento).

Considerações semelhantes às acima também foram publicadas em outros estudos clínico-científicos, validando a tese de que o tratamento com pomada corticoide pode ajudar meninos com fimose fisiológica. Mas e os adultos?

Para os adultos a abordagem precisa ser bem diferente.

Fimose em adulto: como tratar?

Como já acenado, os únicos estudos clínicos já publicados sobre o assunto foram realizados em pacientes jovens, onde a fimose é principalmente congênita (ou seja, não há um anel fimótico resultante de inflamação e cicatrização). Para adultos, dado o tipo diferente de fimose (amplamente adquirida) e o estado maduro do pênis, os médicos normalmente indicam diretamente a cirurgia de postectomia (circuncisão) como linha de ação a ser seguida.

Já existem, entretanto, técnicas e aparelhos para o tratamento da fimose em adultos que podem ser utilizados como alternativa à circuncisão. Eles se baseiam em um princípio biológico amplamente estabelecido, que é o da capacidade natural do tecido epidérmico de mudar após dilatações progressivas persistentes. Saiba mais

Referências

- Kikiros C, Beasley S, Woodward A (1993). The response of phimosis to local steroid application. Pediatric Surgery International, 8(4):329-332.
- Yilmaz E, Batislam E, Basar M, Basar H (2003). Psychological trauma of circumcision in the phallic period could be avoided by using topical steroids. International J of Urology, 10(12):651-656.
- Pless T, Spjeldnaes N, Jorgensen T (1999). Topical steroid in the treatment of phimosis in children. Ugeskr Laeger, 161(47):6493-5.
- Jorgensen E, Svensson A (1993). The treatment of phimosis in boys, with a potent topical steroid cream. Acta Derm Venereal, 73(1):55-6.
- Golubovic Z, Milanovic D, Vukadinovic V, Rakic I, Perovic S (1996). The conservative treatment of phimosis in boys. Br J Urology, 78(5):786-8.
- Atilla M et al (1997). A non surgical approach to the treatment of phimosis: local nonsteroidal anti-inflammatory ointment application. J of Urology, 158(1):196-7.
- Van Howe R (1998). Cost-effective treatment of Phimosis. Pediatrics, 102(4):E43.
- Rickwood A, Walter J (1989). Is phimosis overdiagnosed in boys and are too many circumcision performed in consequence? Ann R Coll Surg Engl, 71(5): 275–277.