Fimose é a impossibilidade ou dificuldade de se expor a cabeça do pênis (glande):


Eis um resumo do que veremos adiante sobre essa condição que aflige tantos homens:

  1. O que é: estreitamento ou enrijecimento do prepúcio que impede ou dificulta o descobrimento da glande.
  2. Causas: falta de alargamento natural da abertura prepucial desde o nascimento (condição fisiológica) ou estreitamento conseqüência de inflamação do prepúcio (patológica).
  3. Gravidade: a fimose pode ser classificada em diversos graus de severidade, que refletem o quão estreita é a abertura prepucial.
  4. Sintomas: incapacidade de descobrir completamente a glande sem que o prepúcio a aperte.
  5. Conseqüências: higiene, saúde e vida sexual.
  6. Complicações: risco de parafimose e outras complicações incapacitantes no pênis.
  7. Soluções: pomadas (para crianças), circuncisão, exercícios ou aparelhos.

1. O que é fimose?

A fimose é um "aperto" ou enrijecimento do prepúcio impossibilita ou dificulta o seu deslizamento sobre a glande, tornando dolorosas tanto as relações sexuais quanto as operações normais de higiene diária.

Fotos (18+)

Clique para ver
Pênis adulto COM fimose

Clique para ver
Pênis adulto SEM fimose


A impossibilidade de expor a glande (total ou parcialmente) não permite que o homem viva sua sexualidade serenamente e pode gerar uma série de complicações tanto físicas quanto psicológicas.

Puxar o prepúcio com força para liberar glande é fortemente desaconselhado, pois pode gerar lacerações na pele e consequentes cicatrizes (que levam a um agravamento da condição fimótica) ou causar até mesmo o estrangulamento do pênis (parafimose).

2. Causas da fimose

A fimose poder causada pela própria conformação natural do organismo (fimose fisiológica ou congênita) ou por lesões e infecções que se manifestam após o nascimento do indivíduo (fimose patológica ou adquirida).

Tipos de fimose: diferença entre fimose congênita e adquirida

Existe uma importante diferença anatômica entre a fimose congênita e a adquirida:

No primeiro caso (congênita), a abertura prepucial ainda não se alargou o suficiente para permitir a exposição da glande. No segundo (adquirida ou secundária), no entanto, ocorre a formação de um anel de células inelásticas que impede que o prepúcio seja retraído normalmente.

2.1 Fimose fisiológica (congênita)

Nos bebês, desde o nascimento, há um estreitamento fisiológico do prepúcio.

Clique para ver
Fimose congênita em pênis infantil

Esse estreitamento é natural e normalmente se resolve espontaneamente ao longo da infância ou, no máximo, durante a adolescência.

Muitas vezes, a fimose na infância é erroneamente diagnosticada como um "problema" porque o médico não consegue distinguir entre a não-retratibilidade natural do prepúcio em desenvolvimento e uma situação patológica real. Antes de agendar uma operação cirúrgica, é recomendável que os pais confirmem o diagnóstico com uma segunda opinião devidamente credenciada.

É importante que a fimose congênita seja resolvida antes da puberdade, mas normalmente não há razão para que seja considerada um problema médico.

2.2 Fimose patológica (adquirida ou secundária)

A fimose dita adquirida ocorre como consequência de lesões e/ou inflamações infecciosas no prepúcio. Mesmo após a solução de eventual problema infeccioso através de medicação adequada (antibióticos ou fungicidas), a cicatrização resultante pode gerar um estreitamento prepucial.

Eis o que acontece na prática, em muitos casos:

  1. O menino, rapaz ou homem tem uma inflamação no pênis.
  2. A inflamação é tratada com medicamento.
  3. O tratamento funciona, mas há a formação de um anel de pele mais rígida ao redor do prepúcio.

Esse anel de pele inelástica é chamado de anel fimótico adquirido.

A cicatriz resultante da infecção das feridas no prepúcio cria esse anel, que, com o tempo, pode se tornar ainda mais rígido, tornando quase impossível expor a glande do pênis.

A fimose adquirida também pode ocorrer, ainda que raramente, como consequência do diabetes.

3. Graus de severidade

No campo da medicina, uma escala específica é usada para definir os graus de severidade da fimose: a escala de Kikiros. Nesta escala são identificados 5 graus para distinguir os diferentes níveis de intensidade do estreitamento:

  • Grau 5: nenhuma retração do prepúcio é possível.
  • Grau 4: é possível uma retração leve do prepúcio, mas o meato (orifício urinário) continua coberto.
  • Grau 3: é possível retrair um pouco mais o prepúcio, descobrindo o meato.
  • Grau 2: o prepúcio pode ser retraído até uma parte da glande, que fica parcialmente descoberta.
  • Grau 1: é possível retrair completamente o prepúcio, mas, uma vez retraído, ele causa um aperto na base da glande.

O grau da fimose pode variar dependendo de se o pênis está mole ou duro.

É muito comum que o pênis apresente uma fimose de grau baixo no estado flácido, mas um grau maior durante a ereção.

Também pode acontecer que o pênis ereto apresente algum grau de fimose, enquanto no estado flácido o prepúcio possa ser retraído completamente e sem dificuldade. Neste caso, a fimose não dificulta a higiene diária, mas afeta negativamente a vida sexual. Saiba mais

4. Sintomas

O diagnóstico da fimose é freqüentemente feito pelo próprio paciente, que percebe o estreitamento do prepúcio. Dependendo da situação, esse estreitamento pode ser mais ou menos crítico, e portanto a observação clínica é recomendável.

Os sintomas relacionados (mas não exclusivos) à fimose podem ser:

  • Dor no pênis
  • Dor durante a relação sexual
  • Sensação de dor ou ardor ao urinar
  • Retenção urinária
  • Coceira na uretra
  • Úlceras cutâneas
  • Disfunção erétil

Procure um médico para a avaliação do seu caso específico.

5. Consequências

Principalmente após a puberdade, as consequências do estreitamento do prepúcio são de natureza:

  • Higiênica, devido à dificuldade de acessar a glande.
  • Funcional, pois torna dolorosa qualquer atividade sexual e costuma dificultar também a micção.
  • Psicológica, porque abaixa a auto-estima devido ao distúrbio das relações sexuais (que exigem o uso de lubrificantes ou preservativos para tentar aliviar a dor).
  • Médica, devido à possibilidade de ocorrência das complicações que veremos a seguir.

Quanto maior for o grau da fimose, mais danosas poderão ser suas consequências.

6. Complicações

6.1 Parafimose

A parafimose é uma condição na qual o prepúcio fica preso atrás da glande e não pode ser puxado de volta sobre a mesma. Em casos mais severos, a parafimose causa o "estrangulamento" da base da glande ou do corpo do pênis.

Fotos (18+)

Clique para ver
Parafimose em pênis adulto

Clique para ver
Parafimose em pênis infantil

Se a parafimose for severa como a dos exemplos acima, a mesma deve ser afrontada como uma emergência médica, pois pode resultar em gangrena devido à falta de fluxo sanguíneo.

A principal causa de parafimose é a retração forçada do prepúcio. Essa prática deve ser absolutamente evitada, principalmente em crianças.

6.2 Balanite e Postite

Fungos e bactérias encontram na condição fimótica um terreno fértil para sua proliferação. As patologias resultantes são a balanite (inflamação da glande) e postite (inflamação do prepúcio), que por sua vez podem aumentar ainda mais o grau de intensidade da fimose.

Fotos (18+)

Clique para ver
Postite em pênis adulto

Clique para ver
Postite em pênis infantil

Se não forem tratadas adequadamente, tais inflamações podem se degenerar em dolorosas calcificações do prepúcio.

6.3 Outras patologias

A manifestação de outras patologias também pode ser facilitada pela estagnação de esmegma e urina no pênis (causada pela impossibilidade de higienização adequada da região). O homem que sofre de fimose pode, por exemplo, correr um maior risco de adquirir doenças sexualmente transmissíveis e câncer de pênis, justamente pela falta de higiene adequada.

Mais informações no site do Ministério da Saúde.

7. Soluções

Idealmente, a escolha da melhor solução leva em conta os seguintes fatores: tipo e gravidade da fimose, e idade e capacidade de compreensão do indivíduo.

7.1 Tratamento da fimose congênita em meninos

Existem diferentes escolas de pensamento entre os pediatras sobre o tratamento da fimose em crianças: em alguns casos, recomenda-se apenas o uso tópico de pomadas específicas (corticoides), que têm revelado um bom percentual de sucesso em crianças; em outros casos (já a partir de certa idade), podem ser ensinados pelo pediatra determinados "exercícios" que visam alargar gradualmente a abertura prepucial.

No caso dos exercícios, é importante que eles sejam realizados pelo próprio menino, a partir da idade em que já tiver condições de compreender o que está fazendo.

A postura de se evitar a circuncisão infantil sempre que possível é predominante em vários países do mundo (principalmente na Europa), e está se tornando cada vez mais difundida também entre os médicos brasileiros.

Nos raros casos em que o paciente não responde ao tratamento com pomada corticoide ou exercícios específicos, os pediatras mais atualizados já estão empregando a técnica do anel alargador, um intervento não-cirúrgico bastante eficaz.

7.2 Tratamento da fimose adquirida em adultos

Para a resolução da fimose patológica (adquirida) os médicos normalmente indicam a cirurgia de postectomia, também chamada de circuncisão. A circuncisão é certamente uma solução definitiva para o problema da fimose, e é a linha de ação indicada para infecções crônicas e lesões recorrentes.

Alguns homens ficam completamente satisfeitos com o resutado da cirurgia, mas para outros a remoção de uma parte do pênis (e consequente exposição permanente da glande, com seu respectivo ressecamento e dessensibilização) acaba causando arrependimento.

Alternativas à circuncisão

Para os adultos que ainda têm fimose congênita, o tratamento com exercícios normalmente funciona. Para a fimose adquirida, atualmente já existem aparelhos que permitem a resolução não-cirúrgica do estreitamento prepucial de origem patológica (desde que suas causas já tenham sido devidamente tratadas e eliminadas).